domingo, 28 de fevereiro de 2010

bandidos e hospitais

E aí galera!

Há 2 semanas atrás a mulher andava-se a queixar que tinha uma infecção urinária, queixou-se 1 dia, no dia seguinte quando estava com uns amigos, queixou-se novamente e um dos amigos disse para ela tomar cuidado porque as infecções urinárias sobem para os rins. Brasileiro é tudo médico, se não estou em erro, aqui no ensino fundamental eles dão aulas de medicina geral! Todo o brasileiro faz diagnóstico de doenças e receita o tratamento!
Pois, dito e certo, no dia seguinte a Joanina estava a queixar-se que tinha muitas dores nos rins, só que eram uns rins estranhos, ficavam nas costas. Como não se deve nunca contrariar a esposa, eu não disse nada, fiquei na minha.
A Joanina ligou para a mãe que é doutorada em medicina pela universidade da vida, e foi-lhe receitado bactrim. Aqui o preto lá foi à farmácia comprar o antibiótico sem receita médica.

Passados 2 dias ela continuava a queixar-se de dores nos "rins", contra a vontade dela, levei-a ao hospital.
Passado o período de espera fomos atendidos, o médico encostou 2 cadeiras à parede, sentou-se do outro lado, encostado à outra parede e começou a dar uma aula!
Foi desde os primórdios da medicina tradicional, passando pela idade média, até à diferença entre os homens e as mulheres. Eu e a Joanina estávamos os 2 de boca aberta diante de tanta sabedoria!
No fim da palestra, o médico lá se lembrou que tinha de perguntar quais os sintomas que a Joanina tinha, para depois a analisar. A seguir deu mais uma palestra para explicar a localização dos rins e que o bactrim já não é utilizado, há muito tempo, para o tratamento de infecções urinárias. Depois mandou-a fazer uma colecta de urina para ver qual a bactéria que a estava a importunar.
Quando saímos do consultório vem um dos porteiros do hospital e pergunta: "E aí? Gostaram da aula? Ele dá toda uma lição, né?"
A joanina entra na enfermaria para fazer a análise e eu fui atender uma ligação telefónica. Quando voltei a Joanina estava na enfermaria a tomar soro!!!!! E uma injecção na veia!!!!
Pois é, a análise à urina vinha com o bonus de umas injecções!! Enquanto eu fiquei ali, toda a gente que entrou naquela enfermaria teve a mesma receita, injecção na veia seguida de soro!
Era o dia da promoção na injecção na veia!





Nas noticias no outro dia apareceu a história do bandido que deu uma de pai natal e resolveu descer pela chaminé para ir assaltar uma churrascaria!
Coitado, teve azar ficou entalado na chaminé!!!
Quando interrogado pelas autoridades disse que estava a passear no telhado da churrascaria quando caiu pela chaminé!

Uma outra notícia esta semana veio do sul do Brasil, um grupo de pessoas juntou-se para jogar na mega-sena, o totoloto aqui da zona, fizeram um bom jogo, foram à loterica para o registar, receberam o comprovante e lá foram para casa.
No sábado seguinte veio a boa noticia, os números sorteados faziam parte do jogo deles!!!
Uns apanharam a bebedeira para comemorar, outros gastaram por conta do prémio que haviam de receber, todos ficaram contentes!
Na segunda quando foram levantar o prémio receberam a boa nova: a lotérica não tinha registado o jogo!!!! :)
A empregada fazia de conta que registava o jogo e metia o dinheiro ao bolso!
Nesse fim de semana correu mal o truque!!

Bem vou ali passear no telhado da joelharia da esquina para apanhar um ar e já volto!

Divirtam-se!!!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

chama o antonio

Aqui fica um dos maiores hits de todos os tempos da musica portuguesa

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Marchinhas de carnaval

Aqui ficam as duas marchinhas de carnaval que eu gosto mais!!











E com isto chega ao fim o carnaval :(
Espero que se tenham divertido muito, eu com certeza que não me vou esquecer do meu primeiro carnaval no Brasil!!!

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Passarela do Samba e Monteiro Lobato

E o carnaval continua minha gente!!!

É muita folia e haja energia para aguentar tantos dias!
Sábado eu, Joanina e os jovens fomos para a Passarela do Samba, um espectáculo à parte!
No início ficamos sentados na arquibancada, mas não se passava nada, estava tudo muito quietinho, a comer pipoca. Aí resolvemos ir para o meio da movuca, onde estava o povão e aí foi a risota total :)
A Joanina bebeu uma bomba atómica, uma bebida feita à base de vodka e cachaça, eu fiquei na skoll que desce redondo.



As Piriguetis são um espectáculo à parte, elas produzem-se todas com uns micro-shorts ou mini-mini saias, uns tops minusculos que favorecem a comissão de frente e depois ficam em cima de passeio à espera que os rapazes as venham beijar, elas fazem competição para ver quem beija mais rapazes por noite!

Do lado da avenida tinha um buraco escuro e lá dentro rolava uma festa do comando, o batidão forte do funk a tocar e a entrar, saír, só se viam os malas, todos de bonezinho, com uns cordões de prata bem grossos e cara do mau!! Eu já estive em bailes funk na favela Rio das Pedras do rio e nunca tinha visto uma coisa tão pesada como aquela.



No Domingo fomos às 2h para Monteiro Lobato, uma cidade aqui perto que fica no meio da serra!
A cidade é muito simpática, com umas casas antigas e um povo muito simpático. Nós em Portugal já ouvimos falar antes mas não associamos o nome, é a cidade do sítio do pica-pau amarelo, terra natal do Saci Perere!

Lá tinha uma festa de carnaval bem típica com o baile do dragão! Reza a lenda que em Monteiro Lobato vive um dragão e que todos os carnavais ele acorda e vem participar da festa! Então, antes da festa começar tivemos de chamar pelo dragão!

Estava um dia muitoooooooooo quente e não corria uma brisa, comprei umas bisnagas e os jovens fizeram uma guerra de água, a seguir começaram a lançar confetis, a mistura de água com confetis deu uma papa só.

À noite, depois do banho voltamos para a folia, mas desta vez ficamos aqui do lado de casa no Jardim de São Dimas e aí eu já pude beber à vontade.





Hoje (segunda) eu, Mateus e Filipe, fomos pular para o Bloco dos Mulambentos!!! O bloco dos Mulambentos é um bloco carnavalesco só para crianças e a bateria inclusivé é composta só por crianças!

O espectáculo foi muito giro, primeiro tinha uma banda só de raparigas que tocava musicas para crianças, a seguir veio uma banda de recife que tocava frevo nordestino e vinha com aqueles bonecos enormes e todo o mundo brincava de trenzinho, de fazer roda, etc. Tudo isto debaixo do maior solzão! No final do dia, finalmente o Bloco entrou na pracinha e a criançada soltou-se!!! O Mateus é que começou a queixar-se que estava cansado e queria ir para casa sozinho, o Filipe por ele continuava lá no meio aos saltos. Viemos para casa.

Agora o guerreiro Filipe adormeceu aqui no meu colo enquanto o Mateus brinca!

E amanhã tem mais!!!!

Divirtam-se!!!

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Quina Barreiros


Para não reclamarem que eu não coloco aqui música portuguesa, aqui fica a última revelação musical do nosso país:
Quina Barreiros

Autora do sucessos musicais:
- Eu como a cabeça ele come o rabo

- O meu homem acorda com ele em pé

- O meu marido põe-me o negócio na mão

Carnaval - videos



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Dança do Creu

Mateus e o Filipe pediram para colocar este video aqui!
É com a mulher melancia, o Filipe é doido por ela!
é o padrão de beleza dele, compara todas as mulheres com ela, a Joanina fica furiosa!!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

aprendam a sambar

Companheiros e companheiras, aqui fica um video para quem quer aprender a sambar!
A bambam vai ensinar!!
Depois é só apanharem o avião para aqui!



Esquenta de carnaval



Olá,

Segunda-feira passada tive uma reunião em São Paulo às 9h da manhã, como uma via da auto-estrada foi com a chuva - Sim, literalmente foi-se, deixou de existir, durante 80 metros onde antes era uma via da auto-estrada agora existe um enorme precipício!!! Agora a viagem em vez de demorar as habituais 2/3h dura um pouco mais 4/5h para fazer 75km!!! Por esse motivo tive de ir no domingo.
Saí de casa às 3h da tarde, apanhei o ónibus, adormeci e acordei quando já estava a chegar, desci, apanhei o Metro e saí na estação Republica, à medida que ia subindo as escadas rolantes comecei a ouvir musica, samba!! Quando saio para a rua tinha a maior festa de carnaval ali na praça!!!!

De imediato liguei para a minha turminha de SP, falei da festa, fui ao hotel tomar um banho e pousar as malas e caí na Folia!!!

Ficamos num bar de esquina a tomar cerveja e a ver os figuras que passavam, ninguém estava com vontade para andar atrás do trio eléctrico! A nossa mesa rapidamente se transformou na mesa de Portugal, éramos 4 portugas!!!
Foi muito divertido, de vez enquando vinha um cromo sentava na mesa, conversava connosco e aquilo virava uma palhaçada!
Saí de lá turvo e tinha perdido o telemóvel (mais um para a colecção)! No dia a seguir tive a tal reunião às 9h!

Na segunda liga-me um amigo meu a dizer que às 20h ía haver desfile do Bloco do Redondo, logico que eu não ia perder!
Fomos fazer um aquecimento para um boteco lá próximo e depois fomos, chegando lá a primeira pessoa que eu vi era um cota (dos seus 60 e tal anos) portuga que estava ligadão!!! Veio ter comigo e dizia: "Nuno meu amigo, que bom te ver por aqui!!!" e puxava do cantil de wiskey e dava mais um trago.
O homem era uma figura, frenético!!! Tudo o que era mulher que passava perto dele, o gajo ia lá falar! Depois chegava perto e dizia: "Nuno vc viu a passada de mão que eu dei naquela gaja?" E ria-se que nem um doido!

O desfile do bloco do redondo é desfile de trio eléctrico que leva na parte de cima uma banda de carnaval que toca marchinha, o trio dá a volta pelo centro de SP e a turma vai atrás, cerca de 20 mil foliões! Tem homens, mulheres, crianças, velhos, muita velha animada! É muito divertido!!!
Lá para o final passamos por uma senhora doida que só dizia: "Eu quero é rolaaaaaaaaa!!!"

Eu estava a conversar lá com o tiozinho enquanto bebia uma lata de cerveja e chega uma negona perto de nós, só com um top e uma micro-saia e pediu a minha cerveja. Eu dei, ela pega na cerveja e despeja pela cabeça dela abaixo, depois diz: "tava precisando me refrescar!" depois pega na cerveja do cota e despeja no peito dela: "É muito calor, né?" Eu só me ria!!!

No dia seguinte quem é que eu encontro, todo arrumado, de fato e gravata?
O tiozinho que na noite anterior estava doidão. Ele a conversar comigo e com o Luiz, todo muito formal e a dizer que a mulher ia chegar no próximo sábado para passar o Carnaval com ele!

Divirtam-se!!!!

the cure untitled

Esta música é uma depressão, mas eu adoro ela:

Sem esperança sendo levado
Nos olhos do fantasma de novo
De joelhos
E minhas mãos no ar de novo
Empurrando meu rosto na memória de você de novo
Mas eu nunca sei se isso é real
Nunca sei como eu quis sentir
Nunca disse completamente o que eu quis dizer a você
Eu nunca consegui as palavras para explicar para você
Eu nunca soube como fazê-las acreditáveis
E agora o tempo se foi
Outra vez desfeito
Sem esperança de lutar contra o demônio
Futilidade
Sentindo o monstro
Escalar mais profundamente dentro de mim
Sentindo-o roer todo o meu coração
Esfomeado
Eu nunca vou perder esta dor
Nunca vou sonhar com você outra vez

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

bloco do redondo

A mais antiga e tradicional banda carnavalesca da cidade de São Paulo nasceu com o nome de Bandalha, criada no auge da repressão militar pelo dramaturgo e ator Plínio Marcos em 1972, nome que lembrava um bloco de sujos de sua cidade natal, Santos. Plínio gravava a novela Bandeira Dois, no Rio de Janeiro e não aguentava mais as piadas e provocações dos cariocas, dizendo que: bloco de paulista é bloco de concreto armado, que cordão de paulista é cordão de isolamento; e, como se tudo isso, ainda, não bastasse, atormentavam tanto o irrequieto Plínio Marcos, citando Vínicius de Moraes “São Paulo é o túmulo do samba”. Àquela altura a Banda de Ipanema já era famosa, trazendo como musas Leila Diniz e Odete Lara. Injuriado com tantas brincadeiras, Plínio chamou seu colega de teatro, Carlos Costa, o Carlão, que já era frequentador do mundo do samba paulista, mas ganhava a vida no teatro, Carlão foi bilheteiro, contra-regra e ator, atuou no teatro de Arena e também no cinema. Então, Plínio Marcos se autoproclamou presidente da Banda Bandalha e convidou para a vice-presidência o Carlão. Claro que Plínio e Carlão viam na banda uma forma de se expressar, num momento que a censura calava o teatro, jornais e outras manifestações.

Em 1972 e 1973 no auge da ditadura militar, a banda saiu da frente do Teatro de Arena e percorreu o centro, foi sucesso de cara, tendo no primeiro desfile como Porta Estandarte a atriz Etty Frazer e mestre sala o ator Toni Ramos, também contou com ilustres participantes, como a atriz Walderez de Barros, o dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri, o ator John Herbert, Pepita e Lolita Rodrigues, os jornalistas Arley Pereira, José Ramos Tinhorão, o ator e artísta plástico Luiz Carlos Parreira, além da turma da “Vagão” e redondeza, entre tantos outros atores, jornalistas e foliões. A Banda durou dois anos, depois de brigas com a prefeitura, Plínio se injuriou e falou que não tinha mais Bandalha, mas seus remanescentes, encabeçados por Carlão, formaram a Banda Redonda, que desfilou pela primeira vez em 74, agora tendo Carlos Costa como presidente e Plínio como vice. Com a inspiração do Artista plástico Luis Carlos Parreira a banda adotou a pomba como símbolo e as cores azul, ouro e branco. Atualmente, os desfiles da banda são acompanhados por cerca de 15 mil pessoas e já entraram no calendário oficial do carnaval de São Paulo. Além disso, ela é filiada à ABASP – Associação de Bandas de Carnaval de São Paulo.

Carlão, o Carlos Costa, Carlão da Vila, Carlão do Boné, quando assumiu a banda em 1974, transformou-se no “General da Banda” de São Paulo (lembrando Black-Out, o “General da Banda” no Brasil): diz um dos foliões: quando o Carlão chega as pessoas cantam… “Chegou o General da Banda…” Sobre o novo nome da banda: Redonda, Carlão conta um pouco da história: “A gente frequentava um bar chamado Redondo. Tinha uma gíria na época que dizia que as pessoas inteligentes tinham a testa redonda. Daí, a partir de algumas sugestões: ARENA, pelo teatro (ora veja, naquela época, o partido da ditadura tinha a sigla de ARENA), Carlos Gomes, Roseevelt (nome de gringo não), Consolação e Vila Buarque, (não são nomes para uma banda). Prevaleceu a idéia da cabeça inteligente: Redonda, ainda sugeriram Banda do Redondo, para tentar obter algum patrocínio do dono do bar, mas aguém lembrou: “o portuga sequer pindurava uma cerveja”. Daí ficou definitivamente “Banda Redonda” mesmo, pela idéia do Parreira, ainda hoje há quem confunda o nome da banda com o nome do bar.

A Banda Redonda homenageia todos os anos personalidades destacadas no meio Cultural e Artístico, como: Etty Fraser, Sérgio Mamberti, Walderez de Barros, Chico de Assis, Emilio Fontana, Drauzio Varella, Esthér Góis, Regina Braga, Renato Consorte, Paulo Goulart, Analy Alvarez, João Acaiabe, Maria Alcina, João Batista de Andrade, Alaíde Costa, Chico Pinheiro, Denis Derkian, além da presença dos homenageados, este ano a Banda lembra os 10 anos sem o dramaturgo e escritor Plínio Marcos, companheiro e fundador da “Redonda”.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Faroeste Caboclo

Não tinha medo o tal João de Santo Cristo
Era o que todos diziam quando ele se perdeu
Deixou pra trás todo o marasmo da fazenda
Só pra sentir no seu sangue o ódio que Jesus lhe deu

Quando criança só pensava em ser bandido
Ainda mais quando com um tiro de soldado o pai morreu
Era o terror da sertania onde morava
E na escola até o professor com ele aprendeu

Ia pra igreja só prá roubar o dinheiro
Que as velhinhas colocavam na caixinha do altar
Sentia mesmo que era mesmo diferente
Sentia que aquilo ali não era o seu lugar

Ele queria sair para ver o mar
E as coisas que ele via na televisão
Juntou dinheiro para poder viajar
De escolha própria, escolheu a solidão

Comia todas as menininhas da cidade
De tanto brincar de médico, aos doze era professor.
Aos quinze, foi mandado pro o reformatório
Onde aumentou seu ódio diante de tanto terror.

Não entendia como a vida funcionava
Discriminação por causa da sua classe e sua cor
Ficou cansado de tentar achar resposta
E comprou uma passagem, foi direto a Salvador.

E lá chegando foi tomar um cafezinho
E encontrou um boiadeiro com quem foi falar
E o boiadeiro tinha uma passagem e ia perder a viagem
Mas João foi lhe salvar

Dizia ele: "Estou indo pra Brasília
Neste país lugar melhor não há
Tô precisando visitar a minha filha
Eu fico aqui e você vai no meu lugar"

E João aceitou sua proposta
E num ônibus entrou no Planalto Central
Ele ficou bestificado com a cidade
Saindo da rodoviária, viu as luzes de Natal

"Meu Deus, mas que cidade linda,
No Ano-Novo eu começo a trabalhar"
Cortar madeira, aprendiz de carpinteiro
Ganhava cem mil por mês em Taguatinga

Na sexta-feira ia pra zona da cidade
Gastar todo o seu dinheiro de rapaz trabalhador
E conhecia muita gente interessante
Até um neto bastardo do seu bisavô

Um peruano que vivia na Bolívia
E muitas coisas trazia de lá
Seu nome era Pablo e ele dizia
Que um negócio ele ia começar

E o Santo Cristo até a morte trabalhava
Mas o dinheiro não dava pra ele se alimentar
E ouvia às sete horas o noticiário
Que sempre dizia que o seu ministro ia ajudar

Mas ele não queria mais conversa
E decidiu que, como Pablo, ele ia se virar
Elaborou mais uma vez seu plano santo
E sem ser crucificado, a plantação foi começar.

Logo logo os maluco da cidade souberam da novidade:
"Tem bagulho bom ai!"
E João de Santo Cristo ficou rico
E acabou com todos os traficantes dali.

Fez amigos, freqüentava a Asa Norte
E ia pra festa de rock, pra se libertar
Mas de repente
Sob uma má influência dos boyzinho da cidade
Começou a roubar.

Já no primeiro roubo ele dançou
E pro inferno ele foi pela primeira vez
Violência e estupro do seu corpo
"Vocês vão ver, eu vou pegar vocês"

Agora o Santo Cristo era bandido
Destemido e temido no Distrito Federal
Não tinha nenhum medo de polícia
Capitão ou traficante, playboy ou general

Foi quando conheceu uma menina
E de todos os seus pecados ele se arrependeu
Maria Lúcia era uma menina linda
E o coração dele pra ela o Santo Cristo prometeu

Ele dizia que queria se casar
E carpinteiro ele voltou a ser
"Maria Lúcia pra sempre vou te amar
E um filho com você eu quero ter"

O tempo passa e um dia vem na porta
Um senhor de alta classe com dinheiro na mão
E ele faz uma proposta indecorosa
E diz que espera uma resposta, uma resposta do João

"Não boto bomba em banca de jornal
Nem em colégio de criança isso eu não faço não
E não protejo general de dez estrelas
Que fica atrás da mesa com o cú na mão

E é melhor senhor sair da minha casa
Nunca brinque com um Peixes de ascendente Escorpião"
Mas antes de sair, com ódio no olhar, o velho disse:
"Você perdeu sua vida, meu irmão"

"Você perdeu a sua vida meu irmão
Você perdeu a sua vida meu irmão
Essas palavras vão entrar no coração
Eu vou sofrer as conseqüências como um cão"

Não é que o Santo Cristo estava certo
Seu futuro era incerto e ele não foi trabalhar
Se embebedou e no meio da bebedeira
Descobriu que tinha outro trabalhando em seu lugar

Falou com Pablo que queria um parceiro
E também tinha dinheiro e queria se armar
Pablo trazia o contrabando da Bolívia
E Santo Cristo revendia em Planaltina

Mas acontece que um tal de Jeremias,
Traficante de renome, apareceu por lá
Ficou sabendo dos planos de Santo Cristo
E decidiu que, com João ele ia acabar

Mas Pablo trouxe uma Winchester-22
E Santo Cristo já sabia atirar
E decidiu usar a arma só depois
Que Jeremias começasse a brigar

Jeremias, maconheiro sem-vergonha
Organizou a Rockonha e fez todo mundo dançar
Desvirginava mocinhas inocentes
Se dizia que era crente mas não sabia rezar

E Santo Cristo há muito não ia pra casa
E a saudade começou a apertar
"Eu vou me embora, eu vou ver Maria Lúcia
Já tá em tempo de a gente se casar"

Chegando em casa então ele chorou
E pro inferno ele foi pela segunda vez
Com Maria Lúcia Jeremias se casou
E um filho nela ele fez

Santo Cristo era só ódio por dentro
E então o Jeremias pra um duelo ele chamou
Amanhã às duas horas na Ceilândia
Em frente ao lote 14, é pra lá que eu vou

E você pode escolher as suas armas
Que eu acabo mesmo com você, seu porco traidor
E mato também Maria Lúcia
Aquela menina falsa pra quem jurei o meu amor

E o Santo Cristo não sabia o que fazer
Quando viu o repórter da televisão
Que deu notícia do duelo na TV
Dizendo a hora e o local e a razão

No sábado então, às duas horas,
Todo o povo sem demora foi lá só para assistir
Um homem que atirava pelas costas
E acertou o Santo Cristo, começou a sorrir

Sentindo o sangue na garganta,
João olhou pras bandeirinhas e pro povo a aplaudir
E olhou pro sorveteiro e pras câmeras e
A gente da TV que filmava tudo ali

E se lembrou de quando era uma criança
E de tudo o que vivera até ali
E decidiu entrar de vez naquela dança
"Se a via-crucis virou circo, estou aqui"

E nisso o sol cegou seus olhos
E então Maria Lúcia ele reconheceu
Ela trazia a Winchester-22
A arma que seu primo Pablo lhe deu

"Jeremias, eu sou homem. coisa que você não é
E não atiro pelas costas não
Olha pra cá filha-da-puta, sem-vergonha
Dá uma olhada no meu sangue e vem sentir o teu perdão"

E Santo Cristo com a Winchester-22
Deu cinco tiros no bandido traidor
Maria Lúcia se arrependeu depois
E morreu junto com João, seu protetor

E o povo declarava que João de Santo Cristo
Era santo porque sabia morrer
E a alta burguesia da cidade
Não acreditou na história que eles viram na TV

E João não conseguiu o que queria
Quando veio pra Brasília, com o diabo ter
Ele queria era falar pro presidente
Pra ajudar toda essa gente que só faz...

Sofrer...